Sem categoria

Maria Madalena, uma entra tantas “Marias”

Compartilhar
Sabe-se que faz parte da humanidade o não interesse nas histórias de vida e das experiências de muitas mulheres que em momentos importantes deram sua contribuição com exemplos de fé, profecia e esperança na transformação da vida e realidade de seu povo.
Neste período que vivemos a Páscoa, iluminadas pela Ressurreição de Jesus, vivemos tempos de muita alegria, carregamos a certeza de que a vida não termina com a morte, percebe-se que ela é mais forte a ponto de ressurgir.
Temos figuras importantes de mulheres que estiveram presentes com Jesus neste momento de passagem e que com a singela participação foram agentes de mudança.  
Fonte: Internet
Entre tantas Marias, relembramos em especial de Maria Madalena, mulher que muito amou o Senhor, se apaixonou por seu Projeto de Vida e liberdade e o acompanhou até a morte na cruz (sentença última), pois foi àquele que muito questionou as autoridades e o sistema que oprimia os pobres de sua época.
Em seu íntimo, Maria Madalena fez uma verdadeira experiência de ressurreição, ao perceber o túmulo de Jesus vazio entra em desespero, e começa a chorar, perde o sentido e sente sua vida sem ideal e sem perspectiva, mas a esperança renasce no mesmo instante que ela escuta Jesus lhe chamar pelo nome: “Maria”! (Jo. 20,16)
O ressuscitado reaviva dentro de si a essência que havia perdido e faz-lhe reconhecer-se protagonista da ressurreição. Maria vai anunciar a todos a boa notícia: “Eu vi o Senhor” (Jo. 20,18). Quem fala não é mais aquela Maria que não compreendia o Projeto de Vida, liberdade, igualdade de gênero e de transformação social que Jesus pregava, mas quem fala é a Maria ressuscitada que encarnou em si estes ideias. 

Por: Luiza Pralon

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Projeto Antonia – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais.   

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *