Prostituição feminina

02 de junho é o dia Internacional da Prostituta

Compartilhar
Em 02 de junho de 1975, quando aproximadamente 150 prostitutas ocupara a Igreja de Saint-Nizier, na França, em num ato de manifestação contra a repressão policial, multas, prisões e assassinatos de prostitutas que não eram investigados.
Foi um ato que teve o apoio da população e da igreja para que as prostitutas tivessem direito à proteção, esse apoio deu força ao movimento para que se espalhe por outras cidades.  Mas apesar dos apoios, em 10 de junho, a polícia invade a igreja de forma violenta e retira as mulheres a socos e pontapés.
Essa manifestação foi notícia no mundo inteiro, o que motivou a criação de associações de prostitutas em vários países, a fim de lutar pela garantia de direitos. A partir de então foi instituído o dia 02 de junho como o “Dia Internacional da Prostituta”
É uma data para refletir na importância das lutas das mulheres que estão expostas a à violência, mas que desejam que seja garantido a elas os direitos mencionados na carta dos Direitos Humanos, que são para todos os seres humanos independente de sexo, raça, cor, religião, etnia, ou qualquer outra condição, estabelece o direito à vida e a liberdade.
A luta das mulheres que exercem a prostituição continua até os dias atuais, para romper com o estigma e preconceito de sociedade machista e moralista, que deixa as prostitutas em situação de vulnerabilidade e risco, as margens de todo tipo de violência, naturaliza essa violência.

“A luta contra a violência é uma luta de todos”

Maria José Silva
Educadora Social
Projeto Antonia

.

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Projeto Antonia – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais.   

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *