COVID-19

COVID-19 e o fechamento dos Hotéis da zona de prostituição da Guaicurus

Compartilhar

Há muitos meses, em todas as unidades da Rede Oblata, temos visto como a crise socioeconômica e política que o país (e o mundo) atravessa agravou as dificuldades financeiras que as mulheres enfrentam. Agora temos a pandemia do coronavírus que transformou as relações sociais, nos obrigando ao isolamento e restrição da convivência. E neste contexto, as mulheres que se prostituem recebem a notícia do fechamento dos locais onde fazem os programas, configurando-se um cenário de certo desespero, mas também de solidariedade.

Com o fechamento dos hotéis da zona Guaicurus de Belo Horizonte, as mulheres que exercem a prostituição naqueles locais questionam: para onde ir e como conseguir dinheiro para as necessidades mais elementares? Se os hotéis fecham, para onde as mulheres que não têm casa em BH iriam, ainda mais com pouco ou nenhum dinheiro?

O Coletivo Clã das Lobas, por meio da liderança de Jade e Priscila, conseguiu alguns acordos com donos de hotéis da região para diminuir o sofrimento das mulheres. Em parceria com elas, a Unidade Diálogos pela Liberdade – Rede Oblata BH – se mobilizou para auxiliar nas medidas de prevenção e encaminhamentos, em uma conexão solidária que visa minimizar o impacto sobre esta população vulnerável.
As articulações com diversos setores começaram no dia 18 de março e ainda estão em processo. A primeira ação foi cadastrar as mulheres, especialmente as que exercem a prostituição em hotéis mais precários, e verificar quais as demandas mais urgentes. Naquele momento, o levantamento resultou nas seguintes necessidades:

– Compra de passagens para as mulheres que desejavam voltar para casa;
– Abrigamento e alimentação para as que precisavam permanecer em BH;
– Divulgar via internet essas ações para outras mulheres na mesma condição.

Conjuntamente, realizamos contatos com parceiros de congregações religiosas e donos de hotéis. Ocorreu uma reunião presencial com representantes do Diálogos pela Liberdade – Rede Oblata BH, Clã das Lobas, Secretaria Municipal de Assistência Social e das subsecretarias de Assistência Social (Central do Migrante e Diretoria LGBT) e do Direito e Cidadania. Apesar da grande limitação do setor público (com acesso restrito e funcionamento em escala mínima), alguns encaminhamentos estão em andamento.

Devemos aprender a ler, escutar, compreender e questionar as realidades sociais, econômicas e culturais nas quais a nossa missão atua. Somos interpeladas a desafiar o comodismo das respostas prontas, os padrões hegemônicos, “a normalidade” e nos inserir nas periferias e nas fronteiras onde a exclusão e as injustiças se materializam. Somos impulsionadas a responder os desafios à luz do Evangelho. E quem nos aponta o caminho? Com quem queremos construir esse “novo horizonte”? Experimentamos nestes dias um pouco do Reino de Deus na força da #sororidade das mulheres. De fato, “a audácia do Espírito nos impulsiona” a continuar na luta por um mundo mais justo.

Relato de Isabel Cristina Brandão Furtado, psicóloga da Rede Oblata BH

Há muitos meses, em todas as unidades da Rede Oblata, temos visto como a crise socioeconômica e política que o país (e o…

Posted by Rede Oblata Brasil on Wednesday, March 25, 2020

 

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Projeto Antonia – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais.   

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *